terça-feira, 31 de outubro de 2017

KAROSHI É AGORA UM OUTRO NOME PARA A MORTE MAS NASCEU DA CULTURA DO HEROISMO NA VIDA: HOJE SIGNIFICA EXCESSO DE TRABALHO NO JAPÃO

Debate é oportuno também no Brasil agora com atual flexibilização das leis trabalhistas: só agora em 2107 (4 anos depois da morte de Miwa Sado, jornalista de 31 anos da rede NHK) esta emissora japonesa de TV pública admitiu a causa mortis (excesso de trabalho) e assim esta jovem virou ícone da discussão sobre o Karoshi em todo o planeta na polêmica sobre a condição humana de trabalho e de vida 

Miwa Sado, a repórter que morreu por excesso de trabalho (Karoshi)

Uma tradição japonesa confundida com o heroísmo está sendo questionada agora em redes sociais e em especial entre profissionais de comunicação de vários países, dentro também de debates entre sindicalistas ou de ativistas de cidadania ou de direitos humanos. Quatro anos após a morte da jornalista Miwa Sado, a TV pública do Japão reconheceu que a insuficiência cardíaca sofrida por ela, em julho de 2013 foi por excesso de trabalho. No mês que antecedeu o episódio, a repórter de política tinha 159 horas extras acumuladas e apenas dois dias de folga registrados nos arquivos da NHK. O caso dela no entanto não é tão incomum naquele país, segundo um documento oficial do governo japonês, um em cada cinco funcionários lá corre o risco de stress, doença e até morte por excesso de trabalho. Além disso, 22,7% das empresas entrevistadas ao longo de um ano disseram que tinham funcionários com mais de 80 horas extras por mês, o que representa um grave risco para a saúde por excesso de esforço que pode ser fatal. "Essa onda não pode pegar no Brasil, onde a crise da economia e a visão atual dos governantes não exatamente humanitária nas relações de direito trabalhista, pode importar para aqui comportamento similar ao Karoshi", comenta agora o editor de conteúdo do nosso blog Folha Verde News, o repórter e ecologista Antônio de Pádua Silva Padinha, analisando e editando em nossa webpágina estas informações obtidas no site Japão em Foco, em agências de notícias como a Reuters internacional ou a japonesa Kyodo News, bem como a rádio Zero Hora, do Rio Grande do Sul, que fez matéria nesse sentido, comparando a garra dos gaúchos com a tradição  guerreira dos japoneses, dentro dum enfoque, trabalhar para viver ou viver para trabalhar? "O equilíbrio entre as duas opções é o ideal", argumenta aqui Padinha.
 
Miwa Sado virou ícone no Japão hoje do excesso de trabalho e esforço

Inenuri (arte de dormir em qualquer lugar ou posição, até de pé)

Karoshi (过労死): excesso de trabalho até à morte


Segundo Masahiko Yamauchi, um diretor do departamento de notícias da NHK, a morte da jornalista Miwa Sado "reflete um problema da nossa organização e do Japão como um todo, incluindo o sistema trabalhista, aqui é comum, assim se faz as coberturas no jornalismo". Sobre a demora para admitir a causa da morte dela, Yamauchi explicou em reportagem o jornal The Guardian, que a NHK omitiu este detalhe "por respeito à família e às tradições do seu povo". Porém, familiares da jovem jornalista mostraram na mesma matéria um sentimento de revolta com a situação: "Mesmo hoje, quatro anos depois, não podemos aceitar a morte da nossa filha como uma realidade. Esperamos que a tristeza de uma família de luto não seja desperdiçada", disseram os pais de Miwa, em um comunicado.
Embora um escritório de direitos trabalhistas em Tóquio tenha afirmado que a morte de Miwa deveu-se ao excesso de trabalho, a empresa de mídia NHK anunciou o reconhecimento apenas agora. A expectativa no país é que essa revelação pressione as autoridades japonesas a enfrentar mortes semelhantes de outros trabalhadores. Outro caso recente desencadeou um debate nacional sobre as práticas de trabalho que obrigou o primeiro-ministro, Shinzo Abe, a rever uma cultura no local de trabalho que alimenta a ideia de que trabalhar por longas horas demonstra dedicação, ainda que haja pouca evidência de que isso melhore a produtividade. Tradições ancestrais não se adaptam à estrutura da sociedade de consumo made in Japan?...

A tradição de heroismo e superação em choque com o Japão atual

Em Tóquio, na França, no Brasil, manifestações trabalhistas...

Agora em 2017 intensificou o debate no Japão sobre a cultura (e as consequências) do excesso do trabalho no Japão, que tem o nome de Karoshi, uma situação que a gente discute hoje aqui no blog da ecologia e da cidadania porque também, por aqui no Brasil,  as novas leis e práticas trabalhistas estimulam de alguma forma este tipo de comportamento. Um alerta mundial foi dando recentemente sobre o Karoshi (过労死), que significa literalmente “morte por excesso de trabalho”. O termo acabou se tornando internacional após ser incluído no Dicionário de Inglês Oxford. A principal causa por trás desse drama é o estresse que acaba levando a pessoa a ter uma morte súbita causada por um ataque cardíaco fulminante ou acidente vascular cerebral. As principais vítimas são os Salaryman, nome dado aos assalariados japoneses, especialmente do sexo masculino, que trabalham nas mais diversas corporações no Japão. Mais dramático ainda é o Karojisatsu (suicídio provocado pelo stress pelo excesso de trabalho ou esforço). A jornalista Silvia Kamanami, que analisou a cultura tradicional japonesa no dia a dia de hoje, cita também personagens que se isolam de todos Hikikomori (que significa, isolados do mundo). Há ainda no cotidiano dos heroicos trabalhadores japoneses a figura da Inenuri (a arte de dormir em pleno trabalho, em qualquer lugar ou posição, até de pé). Dentro deste universo cultural existe também os que contradizem o sistema atual de viver, os Sushoku daushi, expressão que pode ser traduzida como homens herbívoros...Enfim, não é só o Karoshi mas ele é o comportamento que mais criou polêmica atualmente no Japão, questionando tradições do povo ancestral ou pósguerra diante da busca humanitária e qualidade de vida atualmente. Esta discussão está bem atual no Brasil hoje, onde muitos e muitos e muitos precisam trabalhar dobrado para receber a metade do que deveriam receber.


Miwa Sado: Samurais não existem mais


Fontes: www.japaoemfoco.com.br
             Zero Hora - Reuters - Kyodo News
             www.folhaverdenews.com

8 comentários:

  1. "Assalariados conhecidos por suas longas jornadas de trabalho, pela ausência de um salário compatível com a carga horária de trabalho e também por sofrerem em alguns casos, vários tipos de humilhações por parte de seus superiores, em consequência do seu baixo prestígio dentro da hierarquia nas corporações, eles podem também exemplificar um tipo de trabalho escravo": comentário de Paulo Fernandes, advogado da área trabalhista em São Paulo, entrevistado no site Japão em Foco.

    ResponderExcluir
  2. "O primeiro caso de Karoshi foi documentado em 1969, com a morte de um rapaz de 29 anos que trabalhava em um departamento de transporte no Japão. Porém, foi a partir da década de 80, com a “bolha econômica”, que o Karoshi passou a ser visto como um problema social e uma ameaça séria aos trabalhos em geral no Japão": comentário extraído de notícia da agência Kyodo News.

    ResponderExcluir
  3. Em 1987, como forma de alertar a classe trabalhadora sobre os riscos de morte por excesso de trabalho, o Ministério do Trabalho Japonês já começava a publicar estatísticas anuais sobre os números preocupantes relacionados ao Karoshi e Karojisatsu (suicídio provocado por condições estressantes de trabalho).

    ResponderExcluir
  4. "Segundo dados oficiais dpo governo, pelo menos 150 trabalhadores morrem de Karoshi anualmente no Japão. Porém, os números já foram bem maiores. Em 2005, 328 funcionários japoneses morreram por excesso de trabalho, 7 vezes mais do que em 2000. Já em 2007, 672 dos 2207 suicídios, tinham o mesmo motivo como causa principal", (Japan Times).

    ResponderExcluir
  5. Logo mais mais comentários nesta seção onde você pode colocar direto a sua mensagem, informação ou opinião: se preferir ou precisar made o texto por e-mail para a redação do nosso blog de ecologia e de cidadania navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  6. Você pode contatar também nosso editor deste blog para enviar informações ou material como vídeo, fotos ou mensagens, neste caso, envie e-mail para padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  7. "A garra e a força de vontade, características marcantes do povo japonês, foram essenciais durante as décadas de 50 e 60, pois ajudou o Japão a se reerguer economicamente durante o pós guerra, transformando-o em uma grande potência mundial. Mas por outro lado, contribuiu para a ocorrência do Karoshi, um problema grave que ainda persiste entre os trabalhadores atualmenye lá": comentário do advogado Paulo Fernandes sobre os processos de Karoshi no Japão.

    ResponderExcluir
  8. "Karoshi (过労死): excesso de trabalho até à morte. Adorei esta matéria aqui, sou descendente de uma um povo que veio do Japão depois da Segunda Guerra": comentário de Emilio Jorge Matsumi, de Orlândia (SP), que se dedica à produção de óleo.

    ResponderExcluir

Translation

translation