domingo, 26 de novembro de 2017

A ECOLOGIA DO ESPORTE NÃO COMBINA TANTO COM O FUTEBOL BUSINESS POR EXEMPLO E SIM MAIS COM EVENTOS COMO ESTE QUE ROLOU EM BRASÍLIA


Jogos da Juventude reúnem 4 mil atletas de todo o país demonstrando o potecial da ecologia do esporte que é um fator acima dos interesses do mercado e até da competição esportiva: a disputa e as conquistas devem vir como um acréscimo

 
Além das disputas o que mais vale é o fator da ecologia do esporte

Canoagem ecológica deveria também entrar nos Jogos no lago Paranoá...


A gente aqui no blog do movimento ecológico, científico, da não violência e da cidadania Folha Verde News foi informado sobre os Jogos Escolares da Juventude Brasília 2017 através de Heloísa Cristaldo e Kléber Sampaio, repórteres da Agência Brasil, que cobriu o evento encerrado nesse fim de semana: em 15 dias foram mobilizados mais de 4 mil atletas de todo país, entre 15 a 17 anos, em 14 modalidades, entre esportes coletivos como handebol, vôlei, basquete e futsal. O certame conta, ainda, com disputas em atletismo, badminton, ciclismo, ginástica rítmica, judô, luta olímpica, natação, tênis de mesa e xadrez. Deveria abrir espaço para jovens indígenas e formas alternmativas de esporte, como canoagem ecológica para ampliar o alcance de conteúdo positivo. Independente das falcatruas de alguns políticos e dirigentes do COB ou da CBF etc e tal na atualidade brasileira de corrupção em todos os níveis e atividades, realmente os Jogos da Juventude avançam e crescerão mais ainda nos próximos anos e décadas, quanto mais os jovens e a população em geral atentarem para o esporte como uma fator de ecologia na vida de toda pessoa. 




 Uma das equipes jovens que se destacou nestes dias no DF

 Nos bastidores do evento, ecologia do esporte com tudo


Oficialmente, o Comitê Olímpico do Brasil (COB), um dos organizadores da competição, enfoca estes Jogos como uma oportunidade para que novos talentos do esporte sejam revelados, assim como aconteceu com Mayra Aguiar e Sarah Menezes, do judô, e Hugo Calderano, do tênis de mesa, que depois competiram nas Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. A estudante Geisiane Fiorotti, de 16 anos, viajou pela primeira vez de avião para participar da competição. Jogadora de futsal, ela veio de Porto Velho a Brasília, onde conquistou a medalha de ouro em sua modalidade: "Uma experiência muito boa, estou me sentindo realizada, saí de casa para conquistar um sonho e consegui. Além de garantir a medalha, é uma oportunidade para conhecer pessoas de todos os estados do país, conviver e interagir com tanta gente que ama o esporte, cada um deixa o seu melhor aqui”,comentou Geislane, autora de 17 gols, vencendo na final equipe de Salvador (Bahia), ela que veio do Vale do Paraíso em Rondônia, onde vive num alojamento com outros novos atletas, compartilhando o sonho de se profissionalizarem: "O esporte acho é uma chance de mudar de vida, ser feliz".


 Geislane Fiorotti ao lado do seu treinador professor Celetino

 A festa e confraternização faz parte do esporte

 Pelo menos em paralelo deveria haver jogos de jovens índios

Atletas de Rondônia  se destacam nestes Jogos 2017
 Competições deveriam valer ranking para jovens atletas
Nova geração é vital pro avanço da cidadania
Plantio de árvores nos Jogos da Juventude em Brasília que anda seca



Fontes: Agência Brasil
             www.folhaverdenews.com

7 comentários:

  1. A música, a poesia, as lutas de cidadania, as vivências da natureza, nossas raízes culturais, tudo fazer parte do "jogo" da juventude tendo em vista um avanço da ecologia da vida: é o que sugerimos aos Jogos da Juventude 2018, um multievento mais amplo, nesse sentido, logo mais aqui no nosso blog música de Vander Lee, festival não competitivo de artes deveria fazer parte também da formação dos juvens para a ecologia da vida, algo que inexiste ainda no Brasil.

    ResponderExcluir
  2. "A oportunidade para mudar a história de vida virou realidade para a jogadora de basquete Kelly Santos, uma das embaixadoras da competição. Ao todo, 14 atletas brasileiros foram responsáveis por inspirar e apoiar jogadores de cada uma das modalidades dos Jogos da Juventude. Em sua carreira, este time já participou de quatro olimpíadas, jogou em diversos clubes fora do país e faz questão de contar sua história humilde para motivar os jovens atletas a partir da experiência que tiveram": comentário da matéria de Heloísa Cristaldo, da Agência Brasil.

    ResponderExcluir
  3. "A jogadora de vôlei Hélia Fofão, um dos grandes nomes do esporte no país, esteve também como embaixadora da modalidade nos Jogos da Juventude e ouvida pela TV Brasil disse que a cada edição, a emoção em interagir com os jovens atletas permanece: “É uma relação muito boa de proximidade, de ver nos olhos desses jovens um pouco de esperança, sinto assim, eles percebem que vencer também é possível”.


    ResponderExcluir
  4. Anualmente, o COB realiza duas edições dos Jogos Escolares da Juventude. Em setembro, Curitiba recebeu a etapa voltada para estudantes de 12 a 14 anos e teve um número recorde de participantes: mais de 4 mil competidores, o mesmo número de Brasília, 525 técnicos e 169 dirigentes de quase 1,4 mil escolas públicas e privadas de todo o país. Os Jogos poderiam ser enriquecidos com eventos paralelos de vídeo, música, cultura indígena de esportes, para enriquecer ainda mais e fazer crescer este acontecimento na mídia e na vida do jovem brasileiro. (Folha Verde News).


    ResponderExcluir
  5. Você que participou ou não dos Jogos da Juventude coloque aqui a sua opinião ou se preferir envie a sua mensagem para a redação do nosso blog de ecologia, que nós postamos sua mensagem para você, mande e-mail para navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  6. Para enviar fotos ou vídeos ou material ou sugestão de matéria mande direto pro e-mail do nosso editor de conteúdo padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  7. "Sim eu estive nos Jogos agora em Brasília, tive que voltar um pouco antes por causa de compromisso de trabalho (estágio) e concordo, se fosse algo como um multievento seria melhor para toda a galera entender o alcance do esporte": comentário de Janaína Morais, de Sãso Paulo (SP).

    ResponderExcluir

Translation

translation