quarta-feira, 22 de novembro de 2017

QUASE HUMANOS: NÃO SE TRATA DOS ATUAIS HOMENS OU MULHERES E SIM DOS ROBÔS QUE SÃO O TEMA MAIS CONTEMPORÂNEO DO MUNDO AGORA

Quase humanos: os robôs superam limites informa a revista Veja desta semana enquanto o site Hypescince debate softwares de inteligência artificial: vai chegando o tempo em que as máquinas serão tão ou mais humanizadas do que nós?


Estamos continuamente examinando a lista de coisas que as máquinas a princípio não podem fazer e anotando as tarefas agora possíveis para elas. Um dia chegaremos ao fim da lista", comenta Tim Berners-Lee, cientista britânico da computação, criador dos principais códigos que originaram a Internet comercial, o pai do www. Ele parece cada vez mais correto. Há um mês, os robôs deram mais um passo na direção do tal “fim da lista”. Cientistas que trabalham para a americana Vicarious, especializada em robótica, divulgaram na revista Science um estudo que apresentou um software de inteligência artificial (IA) capaz de vencer o Captcha, o poderoso sistema anti-hackers, aquele das palavras e imagens. O Captcha é o recurso utilizado, há dezessete anos, para verificar se quem acessa um site qualquer é mesmo uma pessoa, e não um robô. O objetivo é evitar que hackers utilizem bots — programas de computador que simulam ações humanas — para invadir endereços online. Diante da inovação divulgada pela Science, agora esse recurso de segurança pode estar com os dias contados. É ainda uma evolução que mostra quanto a IA está cada vez mais perto de construir seres que "pensam" como nós...A nova tecnologia apresentada pela startup Vicarious imita como o cérebro humano interpreta essas mesmas informações. Assim, venceu dois dos três métodos do Captcha, o das palavras e o das fotos. Já venceu um primeiro round na disputa humanos X robôs. 



Bom dia, futuro: humanos e robôs conviverão em paz?

Através da tecnologia digital avançada e do avanço da robótica, o mercado de trabalho dos humanos já é hoje invadido pelos robôs. Parceiros ou parceiras sexuais no Japão estão criando uma nova relação entre homens ou mulheres com as máquinas. Segundo avaliam especialistas, o primeiro caminho para a dominação robótica, logicamente, é através da dependência. Uma dependência cada vez maior das máquinas um dia chegará a um momento crítico, quando estes robôs sensíveis e servis decidirem abandonar a escravidão e se tornarem os donos de si mesmos. Um segundo passo é um novo tipo de corrida armamentista, no qual as nações constroem forças cibernéticas de combate.Cada país tem seus robôs inteligentes e autônomos, mas a supervisão humana pode se perder nesse caminho, porque os países e os governos não tem controle sobre os robôs inimigos. Aliás, não controlam nem os humanos do seu próprio país. Não que precise haver uma guerra violenta entre robôs e humanos; esse pode ser apenas um salto de transformação para a humanidade baseado, talvez, em nosso desejo de imortalidade. Os cientistas há muito previram que a tecnologia acabará por chegar ao ponto onde nossa consciência baseada no cérebro pode ser transferida para o meio sintético; esse é o terceiro caminho para a quem sabe, supremacia da máquina. O quarto e último passo são as incursões no espaço interestelar. Mais do que provavelmente, a viagem espacial será simplesmente demasiado difícil para entidades biológicas como nós. Porém, com todas as probabilidades matemáticas é incalculável o poder duma revolução humana contra as máquinas. isso, se homens e mulheres assumirem a sua grandeza potencial, para uma nova civilização de inteligência, natureza e paz.

A civilização dos robôs apenas engatinhando

Novas relações e comportamentos

Mix entre digital e robótica criando nova realidade

Serão os ETs robôs interestrelares?

Só uma revolução humana é capaz de restaurar a ecologia da vida

Você é um robô ou uma pessoa? Já se pergunta agora na Internet para acessos de segurança tipo Captcha



Fontes: www.veja.abril.com.br
             www.hypescience.com 

7 comentários:

  1. "Há três formas de separar as máquinas de nós, seres de carne e osso. Na primeira, apresenta-se uma sequência de palavras desconexas, em tamanhos, cores e fontes distintos, e pede­-se que elas sejam digitadas. A  segunda maneira é compilar imagens e perguntar do que se trata — por exemplo, se são placas de rua, animais ou edifícios. Por fim, há ainda uma versão que mostra apenas uma caixa na qual se pergunta “Você é um robô?”. Basta clicar nessa caixa para certificar que se trata de uma pessoa, é o chamado Captcha, já muito ususal na web hoje": comentário de LiveScience.

    ResponderExcluir
  2. Hoje humanos, amanhã robôs: o futuro da vida no universo: por enquanto é apénas a ficção dum filme sendo planejado na França...

    ResponderExcluir
  3. "O ET que você não viu até agora. Nada de criaturas verdes que tem pele esquisita e sangram como nós. Se algum visitante extraterrestre realmente chegar ao nosso planeta, as probabilidades científicas sugerem fortemente que eles serão formas completamente artificiais de vida. Mais do que isso, os cientistas apontam para uma probabilidade de 99,9999999% que os alienígenas sejam sintéticos na natureza":comentário no site Hypescience.

    ResponderExcluir
  4. Logo mais aqui nesta seção mais informações e comentários, você pode postar também a sua opinião neste espaço ou se preferir, envie sua mensagem para a equipe de redação do nosso blog de ecologia e de cidadania, através do navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  5. Mande informações, comentários ou material como vídeos ou fotos diretamente para o nosso editor de conteúdo (que não é um robô e sim um ecologista), envie para padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  6. "Parece mesmo ser uma sina ou o destino da evolução. Se existe outra vida no universo, é uma civilização possivelmente milhões de anos mais velha que nós, que terá passado por uma revolução cultural com alta probabilidade de terem seres inteligentes artificialmente": comentário também do site especializado LiveScience.

    ResponderExcluir
  7. "Não sei não se as máquinas estão humanizadas, acho mais que os humanos estão mecanizados e pior, violentos cada vez mais, mais do que os mais violentos animais": comentário de Jorge Barion, biólogo, que mora em Buenos Aires mas estudou na USP em São Paulo.

    ResponderExcluir

Translation

translation